Estado de Alagoas

Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

» Página Inicial Sala de Imprensa Notícias 2018 JANEIRO ESPECIAL: Adeal comemora 12 anos superando desafios
19/01/2018 - 18h25m

ESPECIAL: Adeal comemora 12 anos superando desafios

Criada com a finalidade de promover e executar a defesa sanitária animal e vegetal, o controle e a inspeção de produtos de origem agropecuária, a Agência de Defesa e Inspeção Agropecuária de Alagoas (Adeal) completa neste mês de janeiro 12 anos de fundação.

ESPECIAL: Adeal comemora 12 anos superando desafios

Órgão foi instituído por meio da Lei nº 6673 de 2006 - Ascom Adeal

Texto de Dorgival Junior

Criada com a finalidade de promover e executar a defesa sanitária animal e vegetal, o controle e a inspeção de produtos de origem agropecuária, a Agência de Defesa e Inspeção Agropecuária de Alagoas (Adeal) completa neste mês de janeiro 12 anos de fundação.

O órgão, que foi instituído por meio da Lei nº 6673/06 como uma autarquia de autonomia administrativa e financeira vinculada a Secretaria Executiva de Agricultura, Pecuária, Pesca e Aquicultura (Seagri), venceu desafios importantes em mais de uma década, estando entre os órgãos de defesa agropecuária mais atuantes da região Nordeste.

“O trabalho realizado pela Adeal não para. São ações que vão desde cuidados com a defesa sanitária animal; inspeção e fiscalização de abatedouros frigoríficos e da indústria de laticínios e demais empreendimentos que manipulam produtos de origem animal. Tudo isso é feito para que o alagoano possa ter a segurança de que está consumindo alimentos de qualidade graças a garantia do trabalho da Adeal quanto a sanidade animal e vegetal”, declarou o presidente da Adeal, Augusto César Jatoba.

Animal

Após um trabalho de campo contínuo realizado pelos servidores da Adeal, instituições parceiras ligadas ao setor agropecuário do Estado, como a Faeal e ACA; Superintendência Federal da Agricultura em Alagoas (SFA/AL) e o criador alagoano, Alagoas conquistou o status sanitário internacional de zona livre de febre aftosa com vacinação desde maio de 2014. 

Com isso, diante do trabalho realizado para a erradicação da febre aftosa, Alagoas está habilitada para conquistar, a partir de 2020, a classificação de zona livre sem vacinação.

Nas campanhas vacinação contra a febre aftosa, a cobertura vem se mantendo acima da média nacional e do percentual mínimo exigido pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), ultrapassando os 95%. 

Outra conquista importante obtida pela Adeal junto ao criador foi o aumento no percentual de vacinação de bezerras contra a brucelose. 

Segundo dados do órgão de defesa, só no segundo semestre de 2017, foi registrado um aumento de 350% no índice de cobertura vacinal, sendo vacinados em todo o ano quase 50 mil animais. 

Como meta para 2018, a Adeal está preparando a realização do inquérito soroepidemiológico, supervisionado pelo Ministério da Agricultura, com o propósito de conhecer a prevalência da doença no rebanho alagoano e definir a melhor estratégia para combate e erradicação da brucelose. 

Capacitação

Com a missão de estar em permanente alerta, impedindo e ou retardando a disseminação de doenças e pragas que possam ameaçar à agropecuária alagoana, garantindo a qualidade dos animais e vegetais, produtos e subprodutos que entram e saem de Alagoas, a Adeal investe constantemente na capacitação do quadro técnico.

Ao longo dos 12 anos de criação, fiscais estaduais agropecuários - tanto na área animal, quanto vegetal - participaram de capacitações, a exemplo do combate a Cochonilha do Carmim, Helicoverpa, Ácaro Vermelho, Brucelose, Raiva dos Herbívoros e a Peste Suína Clássica, sendo esta última com o propósito de promover ações para a conquista da zona livre da Peste Suína Clássica em Alagoas. 

O órgão de defesa, além de atender as demandas institucionais e do setor agropecuário, também é responsável pela inspeção dos produtos agropecuários, assegurando a qualidade dos alimentos que chegam a mesa dos alagoanos. 

Neste sentido, são realizadas inspeções diárias em abatedouros frigoríficos e fiscalizações periódicas em laticínios e entreposto de ovos; mel, carnes e pescados existentes no Estado. 

“Nosso objetivo é garantir que todas as normas do Ministério da Agricultura, quanto a sanidade dos nossos rebanhos e das nossas lavouras, estejam asseguradas. O  nosso quadro técnico vem efetuando essa tarefa com muito esforço e dedicação, contando o apoio fundamental do produtor rural”, afirmou o assessor executivo de defesa agropecuária, Ironaldo Monteiro.

Vegetal

Já na área vegetal, a Adeal reforçou o cadastro de propriedades rurais com o objetivo de monitorar pragas quarentenárias presentes e ausentes, segundo legislação vigente. Atualmente, graças ao trabalho efetivo no combate as pragas, Alagoas é considerada Área Livre da praga Mofo Azul, que ataca o fumo, e também da Sigatoka Negra, que atinge as bananeiras.

Para ampliar a sanidade vegetal em Alagoas, foi submetido ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) o processo do cancro cítrico como praga ausente nas áreas de produção de citros, além de também ter sido iniciado o processo de manutenção do status de áreas sem ocorrência das pragas Huanglongbing e Pinta Preta.

No segmento de agrotóxico, além das ações rotineiras de fiscalização de revendas e em propriedades rurais, o trabalho de educação sanitária tem sido primordial na conscientização quanto ao uso e a devolução de embalagens vazias. Só no ano de 2017, em um trabalho conjunto realizado com demais instituições do Estado, foram retidas do campo 4.724 embalagens.

Estrutura

Atualmente, a Adeal conta, além da unidade sede, localizada na capital alagoana, com 15 Unidades Locais de Sanidade Animal e Vegetal (ULSAV) situadas nos municípios polos de Maceió; Delmiro Gouveia; Maribondo; Mata Grande; Penedo; Porto Calvo; Santana do Ipanema; São Luiz do Quitunde; São Miguel dos Campos; União dos Palmares; Palmeira dos Índios; Arapiraca; Traipu; Viçosa e Batalha; assim como, cinco barreiras de fiscalização de trânsito animal e vegetal em Palmeira dos Índios; Porto Real do Colégio; Maragogi e São José da Lage, além de uma barreira, exclusiva, para produtos vegetais no Ceasa de Maceió.

Ações do documento