Estado de Alagoas

Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

» Página Inicial Sala de Imprensa Notícias 2018 MAIO Adeal inspeciona o uso de agrotóxicos em 18 unidades agroindustriais
22/05/2018 - 11h41m

Adeal inspeciona o uso de agrotóxicos em 18 unidades agroindustriais

Na ação conjunta com o CREA-AL, principal irregularidade verificada foi a falta de receituário agronômico

Adeal inspeciona o uso de agrotóxicos em 18 unidades agroindustriais

Vistoria foi realizada nas empresas entre os meses de abril e maio - Ascom Adeal

Texto de Dorgival Junior

O Núcleo de Agrotóxico da Adeal divulgou o relatório de fiscalização do uso de agrotóxicos nas agroindústrias do Estado que utilizam e/ou armazenam agrotóxicos e produtos afins.

A fiscalização foi realizada entre os meses de abril e maio de forma conjunta com técnicos do CREA-AL em 18 unidades industriais, sendo a maioria delas do setor sucroenergético, localizadas nos municípios de Coruripe, Penedo, Teotônio Vilela, São Miguel dos Campos, São Luiz do Quitunde, Matriz do Camaragibe, Porto Calvo, Atalaia, Rio Largo e Maceió. A principal irregularidade foi a não apresentação do receituário agronômico por parte das empresas.

De acordo com o órgão de defesa, em todas as empresas foram encontradas irregularidades, tendo sido emitidos Termos de Inspeção para que as falhas detectadas possam ser corrigidas em um prazo determinado pelos fiscais.

Na oportunidade, os fiscais do órgão de defesa agropecuária observaram questões relacionadas à presença de notas fiscais e de receita agronômica para a aquisição dos agrotóxicos; guias de aplicação de agrotóxicos expedida por um engenheiro agrônomo ou técnico em agropecuária; declaração de devolução das embalagens vazias para a ADRAAL; armazenamento de agrotóxicos de acordo com a NBR9843; cumprimento da RDC 190/2017 da Anvisa e a aplicações aérea e mecanizada de agrotóxicos e a não reutilização de embalagens agrotóxicos no campo.

Atenção

Segundo a equipe técnica da Adeal, a exposição de pessoas a produtos agrotóxicos seja no processo de armazenamento e manuseio das embalagens para a sua comercialização; seja pelo contato direto no processo de aplicação dos produtos nas culturas agrícolas ou até do consumo de produtos contaminados, pode provocar sérios problemas à saúde, a exemplo de irritação na pele e nos olhos, dores de cabeça constantes, vômitos, náuseas, dermatites e até câncer.

Os agrotóxicos podem causar três tipos de intoxicação: aguda, onde os sintomas surgem de forma rápida após a exposição excessiva por curto período a produtos altamente tóxicos, a exemplo dos aplicadores nas áreas agrícolas; subaguda, que é provocada por exposição moderada ou mesmo pequena a produtos altamente ou medianamente tóxicos; além da crônica, que é caracteriza-se por ser de surgimento tardio, após meses e anos de exposição pequena ou moderada a produtos tóxicos ou múltiplos tóxicos, como o caso dos estabelecimentos que comercializam produtos agrotóxicos.

Segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), existem aproximadamente 15 mil formulações para 400 agrotóxicos diferentes, sendo que cerca de 8 mil encontram-se licenciadas no Brasil, que é o maior consumidor de agrotóxicos no mundo.

De acordo com a equipe técnica da Adeal, além do aspecto da saúde humana, há ainda a problemática do uso indiscriminado dos agrotóxicos. Nesse caso, a principal desvantagem do uso incorreto de agrotóxicos está no desequilíbrio ambiental ao ecossistema. “Esses produtos podem atingir organismos vivos que não são prejudiciais à lavoura e extinguir determinadas espécies fundamentais para o equilíbrio ambiental, além disso, podem alcançar o lençol freático e consequentemente atingir o corpo hídrico mais próximo”, alertou o chefe do Núcleo de Agrotóxicos da Adeal, Paulo Melo.

Ações do documento