Estado de Alagoas

Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

» Página Inicial Sala de Imprensa Notícias Adeal inicia levantamento sanitário em culturas de citros
01/10/2021 - 14h33m

Adeal inicia levantamento sanitário em culturas de citros

Técnicos da Adeal deram início a um levantamento fitossanitário para a detecção de pragas quarentenárias (que não existem em Alagoas) em culturas de citros nos municípios produtores das regiões da zona da mata e litoral norte de Alagoas.

Adeal inicia levantamento sanitário em culturas de citros

Texto de Dorgival Junior

Técnicos da Adeal deram início a um levantamento fitossanitário para a detecção de pragas quarentenárias (que não existem em Alagoas) em culturas de citros nos municípios produtores das regiões da zona da mata e litoral norte de Alagoas.

As ações dos ficais da agencia de defesa agropecuária foram divididas em etapas, tendo sido a primeira iniciada na segunda-feira, 27. O trabalho de campo segue durante todo o mês de outubro. Está sendo verificada a existência de pragas como o cancro cítrico, HLB, pinta preta dos citros e o ácaro hindu dos citros.

“Com esse trabalho, serão enviados relatórios para o Ministério da Agricultura para o reconhecimento oficial da não ocorrência das pragas no Estado de Alagoas. Com documentação sanitária, os produtores de citros podem comercializar com outros Estados da federação”, informou a chefe do Núcleo de Defesa Vegetal da Adeal, Maria José Rufino, responsável pela ação de campo.

O trabalho nas propriedades rurais ocorre nos municípios de União dos Palmares, Santana do Mundaú, São José da Lage e Ibateguara, Branquinha e Murici. A ação também será realizada em Flexeiras, Joaquim Gomes, Jacuípe e Novo Lino, além de Chã Peto, Cajueiro e Viçosa.

São Luiz do Quitunde, Matriz do Camaragibe e de Porto Calvo. Também serão vistoriadas propriedades em São Luiz do Quitunde, Matriz do Camaragibe e de Porto Calvo.

“Temos que fazer uma amostragem de todos os municípios que produzem citros no Estado para que possamos ter o reconhecimento oficial do Ministério da Agricultura”, afirmou Maria Rufino.

 

Ações do documento