Estado de Alagoas

Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

» Página Inicial Sanidade Vegetal Moko da Bananeira

Moko da Bananeira

Moko da-Bananeira.jpgA doença é causada pela bactéria Ralstonia solanacearum, raça 2.  A disseminação da bactéria pode ocorrer de diferentes formas, dentre as quais se destacam o uso de ferramentas infectadas nas várias operações que fazem parte do trato dos pomares, bem como a contaminação de raiz para raiz ou do solo para a raiz. Outro veículo importante de transmissão são os insetos visitadores de inflorescências, tais como as abelhas (Trigona spp.), vespas (Polybia spp.), mosca-das-frutas (Drosophila spp.).

SINTOMAS:

  • Em plantas jovens caracterizam-se pela má- formação foliar, necrose e murcha da folha cartucho ou vela, seguidos de amarelecimento das folhas baixeiras.
  • Em plantas adultas, ocorre amarelecimento das folhas basais e murcha das folhas mais jovens, progredindo para as folhas mais velhas. Em solos férteis, com bom teor de umidade, ocorre quebra dos pecíolos junto ao pseudocaule, dando à planta o aspecto de um guarda-chuva fechado.
  • No pseudocaule, escurecimento vascular, não localizado, de coloração pardo-avermelhada intensa, atingindo inclusive a região central. O escurecimento vascular também ocorre no engaço.
  • No rizoma, além do escurecimento vascular na região central, ocorre também na região de conexão do rizoma principal com o rizoma das brotações.
  • Nas ráquis masculina e feminina pode ocorrer escurecimento vascular, na forma de pontos avermelhados dispostos uniformemente.
  • Nos frutos, além do amarelecimento precoce, observa-se o escurecimento da polpa, seguido de podridão seca.
  • Exsudação de pus bacteriano de coloração pérola clara, logo após o corte de órgãos infectados.

CONTROLE:  

A base principal do controle do moko é a detecção precoce da doença e a rápida erradicação das plantas infectadas como das que lhes são adjacentes, as quais embora aparentemente sadias podem ter contraído a doença.

A erradicação é feita mediante a aplicação de herbicida como o glifosate, injetado no pseudocaule na dosagem de 1 ml do produto comercial por planta adulta e/ou por chifrão.

Ações do documento

AFTOSA 2016.jpg

link sidagro produtor (2).jpg

imagem manual-produtor.jpg

Apoio